Li e gostei: Dos caras que tive ♥ Coração Fechado, Juliana Manzato


Eu já bati a porta na cara do amor. Logo eu, que mais acredito nesse sentimento e sou apaixonada por ele. Acontece com todo mundo, e comigo não foi diferente.
Depois que alguns anos passam, a gente percebe que não adianta levar aquilo que não faz o coração bater mais forte. É, forçar a barra, investir em um relacionamento que não vai acontecer, fingir gostar de alguém que não está nos seus pensamentos ao acordar e assim segue a catastrófica tentativa de gostar de alguém que você nunca esteve tão afim. Acho triste pensar como alguém faz isso, mas eu já fui esse alguém e ele, o cara que estava comigo, sofreu. O problema nunca foi ele, fui eu. Clichezão que cai como uma luva todas as vezes que lembro da nossa história.
Aceitei o namoro por que não tinha como escapar, os amigos, a família e a situação em si. Todos os dias eu acordava com o coração apertado, ele era um cara muito legal, mas não para mim. Às vezes é assim, todas as qualidades que procuramos em alguém está justamente naquele que não te dá um pingo de frio na barriga.
Não consegui levar a situação por muito tempo, estava passando por uma fase difícil, dúvidas, miúdos que pingavam na minha cabeça e logo transbordaram o meu copo já cheio. O término doeu, mas não consegui derrubar uma lágrima por ele. Estado de choque me definiu bem, falta de sentimento também.
Errei com ele, tentei me desculpar em vão. Coração quebrado não se pega com a mão. Levei por um tempo a culpa comigo, para depois abandoná-la em uma esquina qualquer. Todo mundo erra.
Aprendi com ele que é preciso olhar para alguém mais de uma vez para se apaixonar. Que o frio na barriga e coração disparado são os primeiros sinais que devem ser levados em consideração e se continuarem pelos próximos encontros, a felicidade pode estar ali na frente. Caso nada disso aconteça, um beijo de despedida e nada mais. Peso só serve para segurar papel. Amor é leve.
Sobre esse cara que tive, não falo mais, encontro vez ou outra e tenho absoluta certeza que apesar de todo o sofrimento que causei, foi melhor assim. Cada um para o seu lado, arrumando o seu canto e catando os próprios cacos. Foi melhor ter pego a contra mão.
Ele foi o meu mais sincero “foi melhor assim”.
(Fonte AQUI)

Um comentário

  1. Profundo, acredito que muitos que estão dentro de um relacionamento deveria ler este texto. Quantas vezes já vi casais se destruindo, pois preferem estar dentro de um relacionamento, as vezes, com medo de magoar um ao outro, ao invés de abrir o coração e dizer: Não, não está nada bem, nem para mim, nem para você, não há um nós.

    Mil beijos, guria e sinta-se convidada
    http://umpouco-demundo.blogspot.com

    ResponderExcluir